Artigos, Maquinações

COMO SABER SE ESTOU EM UM RELACIONAMENTO ABUSIVO?

Primeiro, é preciso dizer que qualquer relacionamento pode ter características abusivas. Entre pais e filhos, namorados, cônjuges, amigos etc.

Dizer que uma relação é abusiva significa que uma das partes tem seus limites constantemente invadidos e desconsiderados, sem que perceba ou consiga evitar.

Estabelece-se, assim, um elo emocional em que a parte abusadora usa a relação para satisfazer certos desejos egoístas, enquanto a parte abusada se esforça em satisfazê-los, em detrimento dos próprios desejos (e, muitas vezes, do próprio bem-estar).

A perspectiva clínica mostra que, em geral, essa devoção ao outro tem origem no medo de perdê-lo, ou melhor, de perder sua atenção e seu amor. É como se a pessoa abusada se submetesse a servir a abusadora, oferecendo mais do que recebe, como forma de “pagamento” por sua permanência física e psíquica ao lado dela.

A pessoa abusada costuma ter problemas de autoestima, além de uma noção distorcida de limites. Assume indevidamente responsabilidades, e recorrentemente sente-se culpada por tudo que acontece na relação.

Com o tempo, porém, a frequência do abuso pode levar ao esgotamento psíquico do abusado. Então, este parceiro pode, finalmente, se sentir desvalorizado, impotente, arrependido e usado, podendo querer terminar a relação.

Neste momento, contudo, duas dificuldades costumam aparecer: 1. O parceiro abusado percebe que, por mais que entenda quão ruim é a relação, parece não ter forças para terminar; 2. O parceiro abusador despreza a vontade do abusado, e não permite o final da relação.

As características abaixo são frequentes em relacionamentos abusivos. Se você está vivendo uma relação assim, ou conhece alguém que esteja, procure ajuda. A ligação emocional entre abusador e abusado é intensa, e nem sempre é possível livrar-se sozinho.

Ciúme excessivo

O ciúme é um componente quase “obrigatório” em relacionamentos abusivos.

A desconfiança do parceiro abusivo não se refere apenas ao medo de que o outro tenha experiências afetivas / sexuais fora da relação, mas a qualquer situação em que se demonstrem interesses e ocupações além do próprio parceiro (trabalho e amigos, por exemplo).

Com o tempo, o ciúme se desdobra em proibições e restrições cada vez maiores e demasiadas, com relação a amizades e vestuário, por exemplo.

Invasão de privacidade

Controlar senhas de e-mail, redes sociais e de desbloqueio de celular, fiscalizar o uso de dispositivos e aplicativos, vigiar conversas particulares, tudo isso demonstra que um parceiro não aceita que o outro tenha sua própria vida privada, e pode ser sinal de abuso.

Desconfiança constante

O parceiro abusador sempre acha que o outro pode estar fazendo algo “errado”. Mas, cuidado. “Errado” aqui significa simplesmente fazer qualquer coisa que o abusador não esteja de acordo, ou seja, fugir às regras que ele impõe para controlar a pessoa e a relação.

Constrangimento, inclusive na frente de outras pessoas

Parceiros abusadores não costumam ter escrúpulos de expor os problemas da relação publicamente, ainda que, na privacidade do casal, as broncas e agressões possam ser mais intensas e explícitas.

Nessas situações, é comum que a pessoa abusada se sinta mal, envergonhada ou até culpada, enquanto o abusador parece encarar tudo com mais naturalidade.

Chantagem emocional

A principal estratégia do abusador para “prender” a pessoa abusada na relação é sempre emocional, e não racional / intelectual. Ele faz com que a pessoa abusada se sinta responsável (culpada) pelos problemas, e até mesmo pelas agressões (psicológicas ou físicas) que sofre.

É comum que, depois de ofender e agredir, abusadores digam coisas como: “Tá  vendo? A culpa é sua! Se você não tivesse feito tal coisa, eu não precisaria ter feito isso!”.

Ameaças

Nem toda agressão do abusador se realiza. Aliás, antes de agredir, é comum que este parceiro tente controlar por meio de ameaças, que tendem a se intensificar com o tempo.

Falta de respeito às opiniões e escolhas do outro

Parceiros abusados costumam se sentir sem valor e ter uma auto estima deteriorada.

Esta é a brecha que os abusadores utilizam para desconsiderar e desrespeitar atitudes e opiniões do outro.

Irritação intensa e constante

Dentro do relacionamento, o parceiro abusador costuma ficar nervoso facilmente, e com grande frequência, embora possa ser alguém tranquilo e amável para as demais pessoas com quem se relaciona.

Agressões físicas

As agressões físicas costumam ser vistas como o último e pior estágio de uma relação abusiva. Contudo, como vimos até aqui, são apenas mais uma trágica consequência do controle abusivo.

Quando a agressão física se instala, a vida da vítima está em risco. Mesmo quando começa com um “simples” empurrão ou tapa, as pesquisas mostram que a intensidade e gravidade das agressões tendem a aumentar com o tempo.

Desde o primeiro momento, as vítimas devem procurar apoio de amigos, familiares e, muito importante, buscar condições para denunciar às autoridades. Quanto mais o tempo passa, mais difícil denunciar.

A agressão física pode se refletir na exigência de relações sexuais. Vale lembrar que, conforme a legislação brasileira, todo contato sexual não consentido é considerado estupro, não importando o tipo de relação que exista entre as pessoas.

COMO ENTRAR EM CONTATO COMIGO

WhatsApp: Clique aqui

Fone: 11 96361 7683

rodrigo.giannangelo@gmail.com

Ou preencha o formulário de contato AQUI.

Psicólogo Msc. Rodrigo Giannangelo
CRP 06/56201-2

📲 Inscreva-se gratuitamente no blog para atualizações.

Deixe uma resposta