Artigos

5 SITUAÇÕES EM QUE O SILÊNCIO MELHORA SEU RELACIONAMENTO

Silêncio – Às vezes, você diz mais quando não fala nada.

No começo dos anos 1990, a banda Depeche Mode cantava:

“Words are very unnecessary | They can only do harm”

(Palavras são muito desnecessárias | Elas só podem fazer mal).

O nome da música: “Enjoy the silence” (Curta o silêncio).

SILÊNCIO
Depeche mode – Enjoy the silence

Você provavelmente já ouviu – ou até já disse – que a comunicação é a chave do sucesso de um relacionamento amoroso.

Sem dúvida é.

Mas a comunicação é um fenômeno humano complexo, que nem de longe se resume à interação verbal.

Muitas vezes, conseguimos comunicar mais, e melhor, sem usar palavras. Palavras, mais frequentemente do que pensamos, podem dificultar, em vez de ajudar.

Em silêncio, é possível reunir foco, paciência, beleza. Coisas que não costumam fazer parte de nosso ruidoso cotidiano, são possíveis em silêncio. É isso que o torna tão significativo.

Abaixo, estão 5 situações em que o silêncio pode ser um importante aliado na comunicação em um casal:

1. O silêncio resolve a polarização

Quando você e seu (sua) parceiro (a) defendem ideias opostas sobre assunto que ambos consideram importante, a situação pode se complicar bastante. Quando a discordância evolui para discussão e briga, pode levar à incômoda sensação de que vocês talvez não sejam tão semelhantes um ao outro como pensavam.

A menos que a discussão seja sobre a Terra ser redonda ou plana, é provável que o casal se sinta confortável em concordar com uma conclusão que esteja em algum lugar entre os dois extremos. Mas encontrar esse ponto requer que a intensidade das emoções fique dentro de certos limites.

Ficar em silêncio e apenas ouvir – mesmo quando você está ouvindo algo com que discorda – lhe permite refletir, absorver genuinamente os argumentos e o raciocínio envolvidos na opinião do outro.

Em vez de falar “Isso não faz sentido!” ou “Você só pode estar brincando!”, o que servirá apenas como desabafo e, pior, ainda ofenderá o outro, agravando a discussão, é melhor reunir suas palavras e voltar ao assunto em outro momento.

Após a reflexão, você estará mais disposto a ponderar os argumentos do outro, e não reagirá como faria no calor do momento de ter sido atingido por algo que desafia suas crenças.

2. O silêncio ajuda a reflexão

Essa é uma dica valiosa para todos os casais, mas, em especial, para os que envolvem pessoas introvertidas e/ou que trabalham em funções que demandam criatividade, inovação e geração de ideias.

Imagine a situação em que um dos parceiros se aprofunda em seus próprios pensamentos por um longo tempo, a ponto de parecer ausente.

Muitas vezes, quando isso acontece, o parceiro que está se sentindo “de fora” daquele momento introspectivo interrompe o outro, perguntando: “No que você está pensando?”

Isso acontece porque, ao ver a outra pessoa olhando para o vazio, a curiosidade é despertada. Mais ainda se os parceiros costumam achar os pensamentos um do outro interessantes!

Porém, a conversa do casal tende a ser muito mais rica se eles puderem resistir à tentação de retirar o parceiro dessa “viagem interna”, permitindo que ela aconteça e se complete.

SILÊNCIO

3. O silêncio ajuda a resolver problemas

O estresse do trabalho, problemas familiares ou preocupações com a saúde, muitos são os assuntos que podem afetar como nos sentimos em dado momento.

Se seu(sua) parceiro(a) parece estar passando por uma situação como essa, é importante permitir que ele(a) use algum tempo em silêncio para que sua mente busque soluções.

Se o que você precisa discutir pode esperar, espere.

Caso contrário, você pode ser mal entendido e desencadear no outro uma resposta negativa, que pode levar a conflitos.

Às vezes, também cometemos o erro de tentar tirar nossos parceiros de seus silêncios com a intenção de aliviar seus estresses e suas preocupações. Sempre vale lembrar, porém, que isso dificulta muitos processos de resolução, além de fazer com que a pessoa sinta que não tem direito a momentos de quietude.

4. O silêncio pode fazer seu parceiro se sentir visto

Todo psicólogo, quando começa a atender, percebe como é frustrante ouvir um problema para o qual existe uma solução clara e óbvia, encaminhar ao outro essa solução e vê-lo não seguir seu conselho.

Isso acontece muito entre casais.

O que é preciso compreender é que, às vezes, a pessoa não quer uma solução para seu problema; ela simplesmente quer ser ouvida, de modo atencioso e empático.

Mesmo que a intenção seja ajudar, precipitar-se a traçar planos de solução pode fazer seu parceiro sentir que o foco está sendo desviado, e sua voz está sendo desconsiderada.

Ouvir o outro em seus sentimentos e suas aflições valida seu sofrimento, o que tem, por si, uma grande função terapêutica.

Apoio emocional e ajuda prática podem ser igualmente importantes. Mas, se quiser realmente ajudar, você deve aprender a discernir o que é mais apropriado em cada momento.

5. O silêncio permite falar com o corpo

Palavras podem perder força se disserem demais.

Mesmo um “Eu te amo” deixa de evocar emoções quando se repete a ponto de ser banalizado. Torna-se um dito automático, que serve apenas para preencher o silêncio ou chamar a atenção. 

Mesmo que você seja muito bom com as palavras, deve reconhecer que os sons muitas vezes silenciam as nuances que só a comunicação não-verbal pode provocar.

Gestos, expressões faciais, olhares, toques na pele. Aproximações e distanciamentos. Respirações. Abraços e beijos. Cheiros.

Nem sempre é necessário (ou possível) colocar tudo em palavras.

Com o corpo, você pode comunicar a abstração do amor, da saudade e do desejo de um modo que palavras nunca conseguirão.


VEJA TAMBÉM – CONTEÚDO RELACIONADO

https://rgpsicologia.blog/


ENTRE EM CONTATO!

ENVIAR E-MAIL

Deixe uma resposta